MaaS e a transformação digital do Transporte Público
Transporte / 24/09/2019

O MaaS – Mobilidade como serviço é herói ou vilão em relação a transformação digital do transporte público? A resposta não é simples pois depende da capacidade de alinhar as metas de resultados das empresas participantes com o interesse público, neste caso representado pelas autoridades e operadores locais de transporte público. Sendo assim é provável que essas partes tenham objetivos conflitantes. Portanto, há um alto risco de conflitos. O MaaS tem como um dos seus principais objetivos o de motivar as pessoas a abandonar seus carros e, em vez disso, mudar para serviços de mobilidade mais eficientes. Com maior eficiência nos deslocamentos, o MaaS então reduzirá custos, congestionamentos, poluição do ar, ruído, acidentes, melhorando a mobilidade e liberando novos espaços urbanos atualmente ocupados por estacionamentos. O que na primeira avaliação poderia gerar um efeito muito positivo para o transporte público. Porém, para as empresas privadas participantes, os benefícios acima mencionados são de natureza secundária, pois como todas as empresas, elas precisam lucrar para sobreviver no mercado – ou ainda precisam atingir metas agressivas de crescimento e participação de mercado, quando são alavancadas por capital de risco. Já os operadores de transporte público (OTP) estão acostumados a uma situação monopolista e agora tem seus mercados…

Reflexões sobre a adoção Tarifa Única Metropolitana para o Sistema de Transporte Público
Transporte / 13/04/2017

O transporte público, além de ser um direito social, é uma importante ferramenta de política pública cujos objetivos são: garantir a equidade social no acesso a cidade; o desenvolvimento econômico local; e o designer de uma urbanidade voltada para a integração sustentável entre as necessidades do homem e o meio ambiente. Entretanto  tais objetivos podem ser neutralizadas por politicas de transportes que focam somente no sistema em si como por exemplo a adoção da Tarifa Única Metropolitana na qual todo e qualquer deslocamento nos  municípios pertencentes da metropolitana  ocorrem com valor único . Vale ressaltar que o preço da tarifa é uma consequência da qualidade do serviço ofertado, bem como da interferência direta da variação dos preços dos insumos que compõem o custo do transporte. Sendo assim viagens mais longas deveriam ter um valor maior que os deslocamentos de curta distância. E que a adoção da Tarifa Única vai no sentido contrário do padrão mundial de diversificação de tarifas que vem sendo aperfeiçoadas devido os novos mecanismos eletrônicos de cobrança e controle. E que esta experiência foi mal sucedida na década de 1980, pois gera grandes pressões no desenvolvimento das cidades devido ao espalhamento, ou espraiamento, urbano Sendo assim esta estratégia…