As contribuições do blockchain para o MaaS

14/08/2019

Nesta semana estava navegando pela internet e encontrei este incrível texto da Sandra Witzel (que faz parte da startup australiana SKEDGO https://skedgo.com/could-blockchain-provide-maas-with-the-open-ecosystem-it-needs/)

 

Por isso resolvi traduzir o texto e fazer algumas adequações para nossa realidade brasileira. O artigo tem como propósito apresentar o Blockchain que já existe há algum tempo e é uma tecnologia com potencial para fortalecer a mobilidade como serviço (MaaS), então será apresentado o que é blockchain, os seus prós e contras, bem como algumas possibilidades futuras para a mobilidade.

O que é blockchain?

Blockchain é o que é conhecido como uma tecnologia de contabilidade distribuída (DLT). Foi inicialmente concebido 2008 por Satoshi Nakamoto. É essencialmente um banco de dados descentralizado que é distribuído em vários ‘nós’ de computadores, refletindo um registro idêntico. Este banco de dados é composto de blocos de informações que são ‘encadeados’ juntos usando criptografia. Apenas novos blocos “aprovados” podem ser adicionados à cadeia. A imutabilidade é uma parte importante da tecnologia, com o tempo dos blocos estampado para auditoria e rastreabilidade.

Qual sua relação com o MaaS?

Blockchain é sinônimo de mercado financeiro e está começando a ser usado em bolsas de valores. Outros mercados também estão explorando blockchain, dentre eles podemos destacar o setor de transporte – particularmente frete e logística -, pois há vários benefícios em potencial.

Vale ressaltar que o problemas atual do MaaS é que ele é um mercado fragmentado com muitos sistemas diferentes de solicitações (agendamento), emissão de bilhetes e outros sistemas proprietários que não são centrados no consumidor. Todos estão competindo pelo controle – e isso geralmente significa sistemas centralizados. Blockchain pode nos permitir uma abordagem diferente e mais favorável.

Os prós e contras do blockchain

É o fato de que blockchain ser descentralizado, o que o torna tão atraente. E isto poderia  transformar o MaaS em um ecossistema realmente aberto e facilitar sua escalabilidade. Mas existem outros benefícios potenciais para o setor de transporte:

  • Permite o compartilhamento de dados entre os stakeholders ​​que não conhecem ou confiam uns nos outros. Isso poderia suportar uma maior colaboração entre provedores de transporte concorrentes ou até mesmo abrir novos modelos de negócios.
  • Não há necessidade de intermediários, como financeiro ou legal, devido a contratos inteligentes. Isso significa que não há intermediários, o que poderia reduzir os custos e tornar o processo mais rápido e eficiente.
  • As transações podem ser facilmente auditadas e rastreadas, à medida que os dados são invioláveis; não pode ser alterado ou excluído depois de ter sido confirmado no blockchain.
  • Ele fornece uma única versão da verdade – dentro de segundos, não horas ou dias (como é no presente). O que isso significa para o setor? Análise em tempo real e relatórios sobre problemas de capacidade e interrupções de transporte, bem como a oportunidade de otimizar o sistema. Isso é essencial, independentemente de você estar movendo pessoas ou mercadorias.
  • Os usuários finais, por exemplo, o passageiro, podem possuir e gerenciar seus próprios dados – além do benefício para o cliente, ele também pode ajudar a apoiar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR).
  • Blockchain tem o potencial de abrir o MaaS para grandes e pequenos players, trazendo mais opções para o usuário final, evitando o atual mercado fragmentado.

Naturalmente, com todos os aspectos positivos, existem questões potenciais que também precisam ser abordadas. Em primeiro lugar, ainda é relativamente pouco testado no setor de transportes, embora claramente haja projetos-piloto em andamento. Alguns dos possíveis problemas podem incluir:

  • Taxa de transferência e latência: blocos de informações precisam ser adicionados prontamente ao blockchain. Os mecanismos usados ​​para ‘aprovar’ os dados afetam o custo computacional. A prova da aposta, por exemplo, é menos dispendiosa do que a prova de trabalho.
  • Implicações legais: se os dados não podem ser apagados, isso entra em conflito com a legislação atual, em que um indivíduo tem o direito de ser esquecido. Se os dados são imutáveis, o que acontece quando um usuário deseja apagar o seu MaaS?
  • Questões de segurança cibernética: porque é cedo, os riscos e consequências da tecnologia são difíceis de avaliar. Em teoria, o blockchain deve ser muito seguro, mas ainda é desconhecido. A privacidade também é outra preocupação fundamental.
  • Mentalidade organizacional: as empresas não estão acostumadas a trabalhar de maneira descentralizada. O controle faz parte do seu espirito. A mudança de mentalidade que o blockchain exigiria poderia ser um desafio para muitas organizações. E aí está uma parte importante do problema com blockchain. Sim, existem preocupações tecnológicas, legais e de segurança, mas a disposição organizacional de estar aberto a novas formas de trabalho é imprescindível. Você só precisa observar quanto tempo levaram muitas organizações para migrar para a nuvem. É compreensível em alguns aspectos, uma vez que muito tempo e dinheiro foram investidos nos sistemas existentes. Mudar ou pilotar novas ideias pode parecer esmagadora também.

Como a TravelSpirit aponta em seu informe oficial, Protocolo TSio: A Internet da Mobilidade , “Sistemas complexos para solicitação, emissão de bilhetes, agendamento e planejamento de viagens, construídos em torno do fornecimento de dados e transporte, estão criando barreiras à inovação e uma experiência de usuário ininterrupta”. Juntamente com isso, encontra-se a tendência comercial de querer manter o controle e manter o status quo por medo de perder “seus” clientes. E continua: “Este não é um futuro para o qual estamos ansiosos, e não se encaixa na tendência mais ampla de mercados descentralizados, que está sendo possibilitada pelas tecnologias da Internet das Coisas e do Blockchain”.

Um futuro de possibilidade

Embora não possamos subestimar a complexidade de habilitar o blockchain, ele certamente tem o potencial de redefinir e sedimentar o MaaS para criar um futuro melhor para o transporte. E apesar das questões, há empresas em todo o setor automotivo e de transporte que querem mudar a maneira como pensamos e usar a mobilidade com blockchain no coração, como a Mobility Open Blockchain Initiative ( MOBI ) , que visa tornar a mobilidade mais segura, menos caro, ambientalmente amigável e melhorar a acessibilidade para todos.

E é isso que a maioria do mercado quer ver. Como destacado no artigo anterior da Catapult e da Sheffield University , “Blockchain representa uma oportunidade para mitigar problemas de plataforma centralizada, com princípios abertos, transparentes e descentralizados. Ele poderia moldar novos mercados de novas maneiras e impulsionar a inovação do MaaS em uma direção diferente. ”Esses princípios subjacentes são fundamentais para o sucesso do MaaS, o que torna vital levar as tecnologias como o blockchain a sério e entrar em um território desconhecido. Afinal de contas, o acesso aberto a dados, APIs, ofertas de mobilidade e muito mais ajudará a reforçar o MaaS e esperamos que nos aproximemos mais da experiência de viagem integrada que nossos usuários realmente merecem.

Conclusão

Sabemos que tal situação para estar anos-luz do Brasil, principalmente em decorrência da nossa legislação altamente burocrática e fragmentada entre a União, estados e municípios. Portanto, para avançarmos em relação ao MaaS devemos primeiramente fortalecer o transporte público coletivo no aspecto relacionado a flexibilização da sua regulação. E também criar um ambiente favorável para entrada de nossos provedores de mobilidade que possam junto com o transporte público formar uma rede única de atendimento as necessidades de deslocamento da população, criando assim um ambiente favorável para a MOBILIDADE COLETIVA.

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *